sexta-feira, 24 de abril de 2009

Ch-ch-ch-ch-changes

Time may change me, but I can´t trace time.

Escrevo com a orelha esquerda latejandinho. Tem uma semente de mostarda grudada com esparadrapo lá. Aliás, várias. Fiz hoje uma sessão de auriculoterapia, que é tipo uma acupuntura na orelha, com a secretária do dr. B – ela faz faculdade de Medicina Oriental, ou coisa assim. Eu disse, não disse, que pra reduzir a ansiedade ia tentar de tudo, exceto despacho e promessa?

O Dr. B. ficou lá em volta, tirando sarro. Diz que se o problema é grande, a semente tinha que ser de abacate. Que agora eu não posso tomar banho e sair no sol, senão nasce um pé de mostarda na orelha. E perguntou como é que eu faço auriculoterapia, sendo a descrente que sou?

Bem, o negócio é esquisitinho mesmo, mas uma coisa é uma coisa. Tenho o maior respeito por coisas do Oriente, tirando comer cachorro e o comunismo chinês.

Ela me encheu a orelha de sementinhas e uma agulha no local onde deve ficar concentrado o stress – algo assim. Até agora, pelo menos no ponto que devia interferir na compulsão, não adiantou muito, porque estou me entupindo de amêndoas e damascos o dia todo.

O que, aliás, é uma mudança radical – da Bono Chocolate para damasco. Isso é coisa da nutricionista. O programa alimentar que ela me passou é incrível. Imagina eu fazendo suco de fruta com couve todo dia. Pois estou. Bati um pé de couve, praticamente, no liquidificador, com um pouco de água e um pedacinho de gengibre. Daí fiz gelo com essa massa verde. Na hora de fazer suco, pego um gelinho de couve e jogo lá. Assim contorno o amarelamento da couve na geladeira.

Juro que os sucos ficam bons. Coloco também um pouquinho de linhaça. A cara fica feia: suco marrom. Ofereci hoje o de manga pra dona Ana e ela quase cuspiu o cigarrão. Mas o resultado é que a minha pele e o organismo parecem estar sendo realmente desintoxicados. No começo saiu um monte de espinha, agora parou.

Quanto ao homeopata, decidi não comprar o arsênico que ele me mandou tomar. Convenhamos que ele não foi muito com a minha cara e a consulta foi rápida. Já vai logo receitando arsênico, pô? Ah, brincadeira, eu sei que o arsênico em questão não é bem aquele do veneno. Mas meu santo não bateu com o dele, então vou consultar pelo menos mais um.

E hoje começo a dormir com uma placa provisória pros dentes inferiores. Se eu fosse uma pessoa normal, que passa pelo menos, sei lá, seis meses sem precisar de dentista, eu teria uma placa definitiva para os dentes superiores, que é o correto. Daí entra o dilema de Tostines: como é que vou fazer a placa definitiva se não paro de quebrar os dentes, e como vou parar de quebrar os dentes, se não tenho placa definitiva? Chegamos a uma solução provisória.

E apesar de tudo isso, ainda sou eu.
(fiz uma foto da orelha mas a palm deu pau)

4 comentários:

Dagwood disse...

Bom, o mais importante das mudanças é estabelecer a nova rotina. Senão, 7 anos depois, vc passa por tudo de novo...

Boa sorte aí :) E se sobrarem umas mostardas, manda pra cá. No cachorro-quente fica ótimo!

Srta.T disse...

Tô precisando fazer uma detox também. Acho que vou copiar esse lance da couve. Mas frutas secas eu não encaro não... tem mais diquinhas? =P

Cinthya Rachel disse...

ja tentou oleo essencial de lavanda? é carinho, mas vale cada real. pingue uma gota no travesseiro, e leve um lenço com uma gotinha do óleo dentro da bolsa. qdo precisar dá uma cheiradinha, rs. comigo funciona. ah, passiflorine tb, dois por dia no começo.

Tina Lopes disse...

Dag, haha, engraçadinho.

Srta.T., te mando meu programa.

Cin, não sou muito de cheiros, não, me dá agonia. E passiflorine pra mim não dá nem pra cheio, rsrs. Por isso tô atrás de homeopata.