segunda-feira, 17 de maio de 2010

Memórias, livros e alguma pretensão

Daí hoje eu fui ao mercado e na fila do caixa acabei comprando - além de um gibi da Mônica - um chiclete Trident com recheio de melancia. Nina ficou de olho grande, shame on me, e claro que ganhou um. Ora, adoro chiclete. E quem sabe com ele sairia aquele dente que está molíssimo e ela não tem coragem de arrancar. Mas não.
Já no carro, Nina diz "mamãe, tô com vontade de comer melancia. Mas não em pedacinhos, quero comer melancia num pedação, num dia de sol, igual aquele dia com a Sofia".
Ela não sabia que o chiclete tinha um sabor tão inusitado.
"Olha, Nina, você lembrou de tudo isso porque sentiu o gosto de melancia do chiclete. É uma lembrança que foi despertada por um sabor, legal né?"
"Não mãe, eu não tenho nenhuma lembrancinha de chiclete", retrucou, pensando que eu falava das "lembrancinhas" de festas de aniversário.
"Não, Nina, tô falando de lembrança, de lembrar, de sentir um gosto ou um cheiro e lembrar de uma coisa que já passou".
"Ahn"
"Tem um livro sobre um moço que mergulha um bolinho no chá e lembra de quando era criança, e o livro que na verdade são cinco (chute meu) é todo sobre estas lembranças e o que ele faz depois delas voltarem à cabeça dele".
"..."
"..."
"Mãe, lê esse livro pra mim?"
"É livro de adulto, não de criança. Não tem desenho e é bem difícil".
"Mas eu quero. Eu mesma faço meus desenhos sobre o que eu imaginar do livro".


Detalhe: eu também nunca li Em Busca do Tempo Perdido.

9 comentários:

Caminhante disse...

Ih, eu tentei. O primeiro capítulo dura uma eternidade...

Anônimo disse...

hahahahaha, depois conta pra gente a saga do ´tempo perdido´ e os desenhos da Nina. beijão
madoka

Ronise Vilela disse...

Acho extraordinária a lógica da criança, de como elas simplificam o universo.
Há poucos minutos, o pai da Alice invocou que ela precisa ir ao médico (ele vem de família hipocondríaca e neurótica de doença) e falou isso como uma gralha - eu nem discuti, porque eu brigando não sou gente. Depois de sair, a filha começa "mamãe, quelo i no médico" - e repete como uma mantra. Pergunto se ela não com dor. Resposta "quelo bincar com os binquedos do médico"

Patricia Scarpin disse...

Vou querer ler a versão ilustrada pela Nina. :)

Vivien Morgato : disse...

Mulé chic fala de Prost e madeleine pra filha...rs
Eu fui em uma festa: distribuiram madeleines pra gente lembrar..rs...e eu - fato - me deliciei com a lembrança de um velho amor.;0)


Não faz muito tempo que me dei conta que não existe mais Ploc.
meu mundo caiu.;0(

Nina Vieira disse...

kkkkkk!
Eu também vou querer ser uma mãe assim, que sugere boa literatura para a filha.
Beijos.

claudia disse...

Cris, fiz um blog - http://coisaslegaisdaqui.blogspot.com/ te peço pra conhecer e mostrar pra Nina. só imagem. bjs

MegMarques disse...

Tem uma adaptação em quadrinhos, beeem resumida, do "Em busca do tempo perdido". Mas acho que não fizeram todos os volumes, que são sete.
Dá uma olhada:
http://universohq.com/quadrinhos/2003/n01122003_02.cfm

bjo

asnalfa disse...

Morra de inveja!
Eu ja li "Ulisses" do James Joyce em apenas 2 meses e gostei, mas nao adorei. Apenas interessante.
Mas como vou encarar sete livros do Proust, meudeusdoceu?
Tb ja li 4 livros do Faulkner (O som e a furia; Santuario; Luz em agosto e Enquanto agonizo). Adorei todos, principalmente os dois ultimos.