quarta-feira, 8 de julho de 2009

Mentiras

Só de pensar que a Dilma tenha mentido em seu currículo Lattes fico deprimida. Sigo há anos o marido alterando o seu próprio currículo Lattes com prazer, depois do esforço dos desafios da carreira acadêmica: mestrado, doutorado, artigos publicados em revistas científicas, cursos, cargos profissionais. Só ele tem a senha pra alterar o próprio currículo. Todos os profissionais acadêmicos fazem o mesmo. Quando alguém vai fazer um concurso e sai a lista de concorrentes, a primeira medida é dar uma olhada no currículo Lattes de cada um. Ver quais cursos fez, quem tem mais experiência prática ou teórica, quem sáo os mais fortes, daonde cada um vem.
Nunca ouvi falar de alguém cogitar a hipótese de mentira num documento desses. Primeiro, porque como alguém vai mentir que fez uma tese, dando nome e local de conclusáo, se pode ser desmascarado a qualquer momento por um colega atento ou pela própria instituiçáo? O currículo Lattes é digital. Qualquer um pode digitar o nome da pessoa da qual se pretende averiguar a carreira acadêmica e voilá: o google mostra nos primeiros resultados o link.
A Dilma admitiu que há "equívoco". Disse que "alguém" alterou os dados. Ora, repito: ela e só ela tem a senha pessoal; se alguém alterou dado, quem forneceu a senha foi ela. Ou será que vai ser criada uma teoria da conspiraçáo segundo a qual um hacker teria obtido sua senha pra alterar pra MELHOR os dados da candidata a presidente, e depois denunciar a fraude à imprensa de direita (ops, esquerda?). Náo dá.
E agora coloca-se em xeque (na mídia) a qualidade do sistema Lattes. Como se uma fraude (tem a do Celso Amorim também) acobertasse outras. Isso sim me parece trabalho de amigos - ah, alteraram o da Dilma, entáo deve ser um sistema bichado, náo dá pra confiar.
Estou chocada. Posso aceitar as mentiras políticas, até entender o porquê de apoiar o Sarney (é só um ex.), mas náo uma mentira táo rasteira e desrespeitosa. Dilma, que vergonha.

11 comentários:

Srta.T disse...

Ai Tina, esse lance do Sarney já não tinha me passado de jeito nenhum, mas essa do currículo é novidade... que paulada.

simone disse...

eu sempre dou o benefício da dúvida. no escritório onde eu trabalhava, editei diversas vezes o currículo lattes da minha ex-chefe a pedido dela (tarefa de estagiário hahahaha).

asnalfa disse...

Onde foi que ela mentiu?? Jamais votei em alguem do PeTralha e jamais votarei!

Tina Lopes disse...

A, T., do Sarney não passa pelo gogó, mesmo. Mas entende-se q seja jogada política e tals. Mas mentir na carreira - veja q ela só pode ter entrado no doutorado mentindo que concluiu o mestrado. Só assim faz sentido.

Simone, mas vc editava "aumentando" os dados? Como eu disse pra T., ela só pode ter feito uma coisa se mentiu a outra. E ela já admitiu não ter concluído o mestrado, então...nunca devia ter feito doutorado.

Asnalfa, eu até hoje só votei no PT. E tbm não é isso q vai me fazer votar no Serra.

nilus queri disse...

tá vendo como poucas coisas são mais sábias do que as expressões populares? quantas vezes você ouviu que "mentira tem 'perna curta'"?

Bia Badaud disse...

SHAME ON YOU, DILMA!!!!!!

Cynthia Semíramis disse...

Ai, lá vou eu de advogada do diabo... eu sou das poucas pessoas da minha área que atualiza o próprio lattes. a maioria, especialmente o pessoal mais antigo (tipo 40 anos de IDADE, sem brincadeira!), é cadastrada e atualizada pela secretaria do curso (que vive pressionada pra apresentar lattes atualizados).

é por isso que nem levo a sério a questão da senha: o sistema antigo não era online, então a secretaria baixava o programa e cadastrava o lattes de TODOS os professores, informando até a cor da cueca/calcinha de cada um/uma -nem que precisasse chutar a informação. e claro que o hábito se manteve no sistema novo. afinal, quem não aprendeu a usar lattes em 2002 não vai aprender agora, né? Senha é o de menos, todos os dados estão (perdidos) na secretaria, que faz a atualização. qual funcionário escreveu besteira? pode ser qualquer um, inclusive alguém que não sabe a diferença entre doutorando e doutorado... quando vejo o lattes de ex-professores, penso que até que tá bom, poderia ter ficado beeem pior.

E a exigência de mestrado completo para fazer doutorado é bem recente. tenho vários colegas de graduação (formei em 2002) que foram direto pro doutorado, e tenho uma amiga que pulou direto de mestranda para doutoranda (levou os créditos do mestrado, mas não defendeu dissertação). A CAPES é que vem cerceando isso (e tá muito certa), mas ainda tem um vácuo aí... pelas datas do lattes da dilma, provável que ela tenha pego esse período de vácuo (mestrado era a novidade da vida acadêmica no fim da década de 70)

Quanto à segurança do lattes, o problema não é a informatização, é a facilidade com que qualquer um/uma pode enfeitar do jeito que quiser. por isso que tem de gastar fortunas em xerox de certificados e artigos pra comprovar currículo em tudo quanto é lugar (na minha faculdade, os currículos comprovados são numerados folha por folha, pra que não haja o risco de alguém arrancar páginas e fazer com que o candidato perca pontuação por discrepância entre o lattes e a comprovação - olha o ponto em que chegamos!) Mas acho que isso não inviabiliza o lattes, pois o currículo público na internet permite achar os erros muito mais facilmente.

Por fim, não sei qual foi a da Dilma nessa história. Mas meu passado me diz que ela deixou o currículo na mão de alguma secretaria com funcionários despreparados, e nem se deu ao trabalho de conferir. Agora vai ter de pagar (caro) pela negligência.

Pra terminar o tratado, não sei se você viu, mas outro dia estava circulando no twitter o o lattes do galvão bueno. hilário. acho que já apagaram da plataforma, mas se quiser eu mando por e-mail ;-)

lola disse...

Eu ouvi falar disso anteontem, e também fiquei muito chateada. Obviamente não será isso que me fará deixar de votar na Dilma, mas é o tipo de coisa desnecessária e estúpida, que um candidato à presidência precisa ter cuidado redobrado.
Eu acho o Lattes complicado. Tem muita coisinha que pode ser dúbia. Eu já mudei o meu currículo N vezes, porque a gente coloca um item num canto, aí olha no currículo de outra pessoa, e vê que ele tá em outro lugar. Pra desempatar a classificação na seleção do doutorado (pra ver quem ficava com a bolsa do CNPq), eu e outra candidata tivemos que apresentar nossos currículos. A banca avaliou que meu currículo era melhor, mas não sem antes a minha ex-orientadora me avisar que um artigo que constava como publicação em periódico na realidade não era um periódico. Eu não fiz de má fé. Ontem mesmo, ao ver o Lattes de uma amiga, vi que constava que "ela tem graduação em tal coisa e mestrado em sei lá o quê". E tá errado! Porque ela ainda não concluiu o mestrado. Pode ter certeza que ela não fez isso pra obter vantagem. Foi só o jeito de redigir.
Enfim, tem que lembrar que a última atualização do currículo da Dilma era de 2000! Isso faz 9 anos! Claro, ela devia estar muito mais atenta, mas não acho que foi proposital. Ah, e dá pra fazer doutorado sem passar pelo mestrado! O ruim foi que ela registrou o mestrado dela como se tivesse sido concluído. E não foi. Só é mestre quem defende tese.
Estou mais ou menos a fim de escrever sobre isso. Se eu escrever, posso usar o seu comentário, Cynthia? Me autoriza?

Tina Lopes disse...

Cynthia, obrigada pelo comentário, pode advogar aqui à vontade! Entendo o que vc diz e o marido já tinha me corrigido ontem, em conversa, de que pra fazer doutorado a conclusáo do mestrado náo é obrigatória. Mas quando li essa história, pela manhá, me deu engulhos porque afinal a Dilma é uma figura pública e política há muito tempo e devia ter todo seu "entorno" como está na moda dizer, protegido de pequenices como essa. Ainda assim estou de mau humor com ela.

Lola, querida, sabe que pensei muito em você também com essa história porque, pô, sabe como é ralar muito pra se manter na carreira acadêmica. E de repente tá lá uma figura pública, política, que viveu de bolsa, aliás (as desculpas por náo terminar o mestrado e doutorado também me pareceram furadas) simplesmente tem a carreira enfeitada com pequenas mentiras. Isso me mata. A pulgona tá instalada, sabe? Bjk.

cris disse...

não que isso [se comprovado] não seja sério, tina, mas veja. a impressão que tenho é que tem gente se esforçando pra encontrar pêlo em ovo - e vão encontrar, claro. podemos esperar coisa pior na imprensa daqui pra frente [e, ó, o lance do doutorado semmestrado é verdade, tive um profo. - brilhante, aliás - que passou da graduação direto pro doutorado. e muitos estudantes começam o mestrado e não concluem, passam direto pro doutorado]. bjs

Tina Lopes disse...

Mas entáo Cris, isso é que é triste. A gente vai relevando as pequenas mentiras e se queixando da mídia. E pensar que o Bill Clinton penou por causa de um boquete. (qto a mestrado-doutorado, sim, o marido já tinha me corrigido).