sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Vidas, personas, caras

Outro dia, ao me ouvir contando um causo (acho que o da briga na padaria), algumas amigas comentaram que eu pareço ter vivido 1001 vidas. Virou piadinha recorrente e adorei. Como se eu fosse chegar ao fim cantando My Way por ter feito de tudo e do jeito que quis. Mas enfim. Emendando com isso, algumas vezes atendi a telefonemas de arrobas – pessoal do twitter – com meu codinome civil Cristina. “Alô, é a Cris” quando esperavam a Tina Lopes. Tina é a minha persona de internet. Quando fiz teatro, biodança e escrevi poesias, também me fiz conhecer por Tina. E é como tias e primos do interior ainda me chamam.

Mas este é um exemplo raso (como promete o título do blog) para refletir sobre uma implicância que identifiquei recentemente. O fato de que não gosto de encontrar pessoas “antigas”. Gente que me conheceu em outros momentos da vida. A impressão que tenho é de que elas carregam consigo um pedaço meu, do meu eu que já fui e não sou mais. O amigo da fase junkie, a prima companheira da timidez adolescente, o colega de trabalho que presenciou um momento de mau-caratismo. Encontrar com essas pessoas significa voltar a mim e àquela impressão que lhes deixei. Voltar àquela Cristina de então. Ou Tina.

Não sei quanto a vocês, mas ainda me acho distante de um ideal – na verdade, não tenho um ideal de mim, só quero que cada dia passe sem me trazer nenhum motivo pra uma crise nervosa amém. Porém também não tenho saudades. Outro dia até tive uma nostalgiazinha da infância, rápida.

Fato é que às vezes todas essas 1001 vidas, por medíocres, desimportantes, grãozinho de areia que tenham sido, pesam. As burradas, os erros, as grosserias. Só eu lembro de tudo, absolutamente tudo? Não se trata de culpa. Aliás, não adianta a culpa. Assim como não servem de nada as desculpas. O perdão é superestimado, sorry cristãos. Hoje em dia uma pessoa tem o filho assassinado barbaramente, o repórter (ai, colegas) vai lá e e pergunta em rede nacional: “o senhor conseguirá um dia perdoar quem fez isso?”. Ora. Se eu não me perdôo, de que adianta?

Não que eu tenha cometido grandes desatinos ou maus passos. É que viver – bem, zen, tranquila, dormindo as oito horas necessárias – me parece exigir um grau de auto-indulgência do qual não sou capaz. Também não falo de arrependimentos. Mas de “eus”, de pessoas que fui, das quais hoje discordo, ou me penalizo, desprezo, ou ainda, detesto. Gosto de mim hoje, do mundo, hoje. Mas acho que amanhã vou ser e estar melhor.

6 comentários:

Caminhante disse...

"O fato de que não gosto de encontrar pessoas “antigas”. Gente que me conheceu em outros momentos da vida. A impressão que tenho é de que elas carregam consigo um pedaço meu, do meu eu que já fui e não sou mais."

Só não coloco em palavras douradas, marcadas na pedra porque não é necessário. 100% de identificação.

(e foi o causo da padaria mesmo =D)

Bia, Desperate Housewife disse...

Posso comentar várias coisas, mas a que me pega agora é o vivenciar nostalgias. Tô num momento que vivo disso; queria pegar num ponto da minha infância, me agarrar e fazer o tempo voltar.

Rita disse...

Menina, pois eu sou aquela que vive, como uma velha, resmungando, ai meu deus, voltem cure, smiths, voltem para os braços de sua amada, um horror.

Sou assim. Você ainda gosta de mim? ;-)

Bj
Rita

Mari Biddle disse...

Oi, vou falar de mim - putz, pra variar. Eu vivo querendo o passado de volta e morrendo de saudades o tempo todo. Mas a explicacao deve ser pq sou expatriada.

Gostei do tom do seu post. Deve ser muito bom viver sabendo que amanha vai estar melhor. Queria ta nesta vibe.

Bia Badaud disse...

Só um detalhe... não são as pessoas. É o que voce sente e pensa, quando vê as pessoas, né. Porque se voce, por curiosidade, deixasse a conversa rolar, talvez descobrisse que as pessoas mudaram, também.
Apesar disso, seu post me lembrou de um outro, que achei deveras engraçado!! Dá uma olhada: http://hyperboleandahalf.blogspot.com/2010/09/four-levels-of-social-entrapment.html

cris disse...

ai, amiga. nem sei bem o que dizer. só que esse teu textinho aí mexeu comigo. também não gosto de encontrar pessoas do meu passado. gosto muito mais de mim hoje, da minha vida e do que consegui me tornar. só encano com a velhice. porque não adianta todo mundo dizendo que eu não estou velha: pra mim ela está ali, na porta, pedindo satisfações, e eu me vejo na obrigação de olhar pra ela. não gosto de pensar que vou ficar velha, acho velhice uó e esse papo de 'melhor idade' a coisa mais idiota do mundo. do meu passado, só queria mesmo meu corpo e rosto de 30 anos, mais nada. o resto todo eu jogo no lixo com o maior prazer. beijos procê.