domingo, 18 de setembro de 2011

Day 27: Favorite love story


O fato é que não leio muitas histórias de amor. Incrível, me dei conta agora. Ainda não li Romeu e Julieta, por exemplo. Poderia citar Mr. Darcy, aquele lindo, e Elizabeth Benneth, mas me dei conta que também não li Orgulho e Preconceito, de Jane Austen - e confesso que confundo com Razão e Sensibilidade, este sim devidamente apreciado. Então vamos sair da Inglaterra e apelar para um amor tão profundo, romântico e poético quanto: O Chão que Ela Pisa, de Salman Rushdie - e só hoje, googleando para encontrar detalhes sobre o livro fiquei sabendo que há duas músicas, uma do U2 e outra da tal CPM22 com esse título, homenageando a obra. Não sei da qualidade delas, mas faz todo sentido. A história recria - outra informação da qual eu não tinha me dado conta - o mito de Orfeu e Eurídice, contando a história de um homem e uma mulher, Ormus e Vina, que nasceram para a música e um para o outro.
Na década de 50, Ormus, indiano de família rica, torna-se um astro da música popular, um John Lennon oriental. Vina, a única mulher de sua vida amorosa e sexual, trilha um caminho semelhante: pobre, criada nos Estados Unidos, torna-se uma estrela internacional da cultura pop, um objeto de desejo dos homens. Rai, fotojornalista, amigo de Ormus, mergulha em guerras e revoluções pelo mundo afora e também é apaixonado por Vina. Ao narrar a história desse triângulo amoroso, Rushdie cria uma versão complexa do mito grego de Orfeu e Eurídice, em que o homem apaixonado desce aos infernos para recuperar a mulher amada. E, superando a divisão entre Oriente e Ocidente, projeta o mundo contemporâneo como um lugar onde descer aos infernos talvez seja o único modo de encontrar sentido para a vida.

A leitura de O Chão que Ela Pisa me prendeu e apaixonou também pela apresentação que faz da Índia - ritos, história, religião e, principalmente, da sua linguagem, misturando dialetos ao inglês e formando, quase em tempo real, uma nova língua, global. Aliás, vi críticas chamando esse livro de "global" - além de genial e obra-prima.


3 comentários:

banzai disse...

Tina, esse do Salman R. eu vou anotar, fiquei super interessada. E tô adorando esse meme.
Bjs
madoka

Rita disse...

Dele só li o comentadíssimo Versos Satânicos, mas fiquei curiosa agora. E sabe que me dei conta da mesma coisa, não li muitas histórias de amor. Pensei nos da Austen, também, fiquei em dúvida se Romeu e Julieta valeria porque é peça, hahahaha, a boba. E fiquei vasculhando minha cabeça à cata de historinha... gente, que engraçado, né.

Bjs
Rita

Cris disse...

Lindo, fiquei curiosa agora. E adorei o novo vizu do blog ;)