sexta-feira, 5 de junho de 2009

Quem é a doida

Fomos eu e Nina ao shopping comprar luvas pra ela. As do ano passado náo cabiam mais. Uma coisinha de nada vira uma sessáo: as da C&A têm o dedáo no meio da palma; as da Renner pinicam. Claro que as perfeitas eram mais caras. Enfim.
No meio da empreitada a Nina aponta o quiosque do McDonald's.
- Mamáe, quero sorvete, sorvete, sorvete, sorv...
- MANEMORTA! Nesse frio!
- Eu quero, quero queroqueroqueroquero...
- OK.
- Hein?
- Vamos fazer um trato...
(Nina adora tratos e acordos - e é louca pelo sorvete de duas cores do McDonald's, aquele mais simplinho)
- ... se você achar UM DOIDO, mas UM DOIDINHO SÓ tomando sorvete nesse shopping todo, eu te dou o sorvete.
- Entáo tá. Vou procurar.

E ficou de olho comprido em todo mundo. Passamos duas vezes pelo quiosque, ela espreitando em volta. Pelo do Bob's, ela de butuca. E nada.
Eu, quase rezando. Imagina se me aparece um doido mesmo. E náo é que tinha? Malditos adolescentes. Esqueci dessa raça que só faz contrariar. Tinha um lá, espinhentozinho, tomando um sundae. Só que ufa, a Nina náo viu.

Achei divertido, mas ela náo. Depois de uns dez minutos ela perdeu a esperança e começou a choramingar. Pra náo admitir que era frustraçáo com o trato, alegou cansaço, dor de garganta - mas logo desmentiu, porque dor de garganta, né: estratégia errada. Mas náo falou mais do sorvete.

3 comentários:

asnalfa disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
amei!!! pai e mae tem que ser assim mesmo.. eles deve aprender o que é "não" desde criança...

Cris Brunetti disse...

ok eu sou doida e adoro tomar sorvete no inverno kkkkkkkkkkkkkkk

sorte sua que nao estavamos no mesmo shopping heim

bjus

bom fds

Tina Lopes disse...

Asnalfa, mas dessa vez nem foi um não, foi um talvez-quem-sabe-may-be-perhaps.

Cris, cá entre nós, eu também gosto. Mas tava frio demais.