sexta-feira, 5 de novembro de 2010

#pagoday

Hoje é #pagoday no twitter.
Todo mundo tuitando - o que der em 140 caracteres, claro - trechos preferidos de pagode.
Não reconheço mais meus amig@s, trocaram os avatares por fotos dos pagodeiros. Só vejo gente de calça amarela e bigodinho.
E eu não sei absolutamente nenhuma letra de pagode.
Sou esnobe?
Mas não estou esnobando, juro. Eu bem queria saber. Acho super bacana roda de samba, e pagode tem essa levada. Não aqueles mais fanhos e com voz de choro, claro. Já ouvi alguma coisa, ao entrar na Americanas, por exemplo. Mas meu desconhecimento dessas manifestações populares se deve, provavelmente, ao fato de eu não ligar a televisão na tv aberta, principalmente aos domingos. Já contei aqui ou no blog véio, não sei, mas me recuso a assistir o Faustão desde que vi a bunda da Carla Perez ser entrevista pelo Castrinho - procurei a cena no youtube mas não achei. Pra mostrar a causa do trauma, partilhar essa dor com vocês.

8 comentários:

MegMarques disse...

Eu sei uma letra de pagode!!!
Quer dizer, sei o refrão, é assim:
"marrom bom-bom, marrom bom-bom"

Denise disse...

eu amo samba, o que tem pouco a ver com o pagode meloso que se canta por aí. mas tenho um passado negro e direto da periferia paulista, onde ouvi muito 'Raça negra' e o tal 'Negritude Júnior', do quase senador Netinho. Ah, estas coisas que a gente só confessa sob tortura! hahahaha

Jan disse...

adoro teus posts, acho tua opinião sempre bem embasada e coerente, mas confesso q neste não acreditei... 40 anos de vasto repertório e não sabe 1 samba? achei blasé.

Tina Lopes disse...

Pô Jan, samba eu sei um monte, passei a vida ouvindo! Adoro sambão que chamam de raiz. Tô falando de pagode, esses grupos com um monte de gente, que deram início às carreiras do Netinho e daquele outro que já ganhou o Grammy latino. Mas tenho um CD do Zeca Pagodinho, mas diz que ele canta samba, e não pagode. Serve Agepê?


Mas de qualquer forma, obrigada pelo elogio. ;)

Tina Lopes disse...

Meg, esse do Bom Bom bombou, hahahah, na timeline, mas não conheço e a essa altura do campeonato não me adianta muito clicar nos links, né?

Oi, Dê, voltou? Temos que nos ver então. Volta pro tuitis! Acho que qualquer ritmo que junte gente se divertindo e jogando ombrinho vale a pena, com as exceções óbvias de gauchescas e breganejos, que aí eu não suporto mesmo.

nilus queri disse...

em uma madrugada, numa ilha de pescadores praticamente deserta e sem energia elétrica, encontrei um grupo de adolescentes locais, todos negros, tocando e cantando uma música que eu achei linda. eram uns três garotos tocando violão(!) e uns oito(!) cantando em uníssono. à luz de velas, no pátio ao lado de uma igrejinha colonial. a canção tinha ao mesmo tempo um frescor muito jovem e uma negritude que doía e foi pra mim um momento sublime e inesquecível. e não é porque eu estava chapado e tinha acabado de fumar um baseado, juro! claro que passei a noite toda com eles (meu vício por música ao vivo em lugares insólitos ou religiosos já literalmente quase me matou, mas essa é outra história) e foi um pagode atrás do outro. e aquele som - ali, acústico - parecia ser tão próprio deles que não havia defeito, era honesto demais, atingia um nível de beleza absoluta pela dignidade do amor dos caras por aquilo. enfim, cheguei em sampa e tive coragem de comprar um cd do raça negra. não tinha a tal música´e detestei todas, menos uma que descobri que eu gostava (anos antes havia sido um hit, provavelmente no faustão), que é mais ou menos assim:
"menina bonita, sabe que é gostosa, com esse seu jeito faz o que quer de mim, domina o meu coração, fico sem saber o que fazer, eu quero te abraçar, você não quer...então me ajuda a segurar, essa barra que é gostar de você, iêê...didididididiê....didididididiêê", rs. enfim, nunca mais ouvi raça negra, mas ouço muito, sempre que tenho vontade, outros caras que se auto-denominam cantores de pagode (portanto é uma nomenclatura realmente relativa): leci brandão, jovelina pérola negra, almir guineto e bezerra da silva, por exemplo!

Vivien Morgato : disse...

meio offotpic...Luciano Huck tinha um convidado, que tirava cães das ruas.O cara falava o nome do cachorro e de onde ele vinha:o apresentador falava o nome da dançarina - que segurava o cachorrinho - e de onde ela vinha...e terminava :"late".

Verônica disse...

olha, você não tá sozinha, sistah. tô tão por fora... só fico sabendo de alguma coisa se os alunos falam e mostram.
besos.